Carta do Alexandre para a Sara

Às vezes aqueles a quem pensamos estar ligados por uma amizade indestrutível acabam por se afastar. Na realidade, não posso ter a certeza como me falarás ou como me olharás daqui a uns anos. Talvez depois de um "como estás?- tudo bem ", siga cada um para o seu lado. Talvez estejamos tão distantes que nem sequer essas palavras troquemos. Eu espero que assim não seja, mas estou disposto a aceitá-lo se isso for por seguires aquilo que é mais profundo dentro de ti. Sei que tudo na vida tem um sentido profundo e se o nosso afastamento for necessário para aprendermos algo de muito importante e indispensável à nossa realização plena, eu procurarei retirar daí o maior ensinamento possível.

As palavras são algo de muito esquisito. Muito raramente conseguimos dizer aquelas que realmente devem ser ditas.

Ambos sabemos os milhares de coisas que fizemos juntos e o significado que elas tiveram para cada um de nós. Cada momento foi maravilhoso. Para mim, estar contigo, era como estar numa dimensão mais elevada onde eu podia ser eu próprio. Podia abrir-me contigo, falar-te do que ia no meu coração e ajudar-te também nos teus problemas.

Eu acredito que há um Amor que pode ser sentido por todos e que abrange tudo o que existe. Acredito também que esse Amor se pode manifestar de uma forma plena entre duas pessoas que buscam a mesma verdade, trilham o mesmo caminho e, na essência, vivem esse mesmo Amor. Acredito que é importante as pessoas abrirem o coração e dizerem o que sentem, isso revela a pessoa e mostra aos outros aquilo que no fundo a pessoa é. Acredito também que se não abrirmos o coração nunca reconheceremos o caminho certo, mesmo que ele esteja bem diante dos nossos olhos. É por isso que eu faço um esforço para abrir o coração. Honestamente, só quero a verdade. E só a conhecerei se abrir o meu coração, aceitar todas as possibilidades e deixar a vida manifestar-se. Quando isso acontece, fico feliz por me ter dado a alguém e por ter conseguido vencer mais uma vez essa barreira que me impede de trilhar o caminho. Na realidade, só tenho que escutar a voz que fala no mais fundo do meu ser e agir de acordo com o que ela me diz. E agora ela grita: Tudo aquilo que não fazemos por medo é o fruto de pensarmos que temos alguma coisa a perder.

Amo-te.

in "Onde está o branco em ti?", editora: Quinta Essência

2 comentários:

Sara disse...

Ricardo, se assim me permites chamar-te, obrigado por teres escrito o livro "Onde está o branco em ti".
Sabes? considero-o o meu livro favorito por todos os motivos. Desde as palavras sentidas, da história e da forma como transmites para o papel toda a dedicaçao que tiveste em fazer este livro. Gosto imenso Ricardo. Muitos parabens. Continua a preencher este blog com muito amor, porque vale a pena. Tens aqui uma seguidora :)

Adriana ♣* disse...

Que lindo, Ricardo!

Eu acredito nisso:

"... Eu acredito que há um Amor que pode ser sentido por todos e que abrange tudo o que existe. Acredito também que esse Amor se pode manifestar de uma forma plena entre duas pessoas que buscam a mesma verdade, trilham o mesmo caminho e, na essência, vivem esse mesmo Amor."