A razão das coisas... ( e o passar do tempo...)

“Na altura em que escrevi, as coisas saíram assim e creio que não vale a pena estar a perguntar-me exaustivamente porque é que foi desta forma e não de outra. Sei que a única forma de fazer as coisas bem é fazê-las de uma forma honesta. O livro e a sua construção decorrem da forma como o vivi e senti na altura em que o escrevi. Seguramente que poderia ser bastante enriquecido em inúmeros aspectos (senão em todos) mas isso não é o mais importante agora. O que realmente importa é saber se de alguma forma o livro conseguiu chegar às pessoas e provocar reacções positivas de questionamento a respeito daquilo que somos e daquilo que pretendemos fazer das nossas vidas. Eu sinceramente acho que esse objectivo foi conseguido e isso deixa-me, por si só, tremendamente satisfeito. Quanto às falhas, elas são naturais, e se existem momentos em que estamos tremendamente inspirados, outros há, em que simplesmente as coisas não nos saem. Acredito sinceramente que as partes menos conseguidas do livro são colmatadas com aquelas que saíram melhor e que, no fim de tudo, as coisas acabaram por correr bem.
Existem muitas pessoas no mundo que procuram encontrar-se a si mesmas e que procuram a cada instante estar onde sentem interiormente que devem estar. O que as move? O que nos move a todos?
Eu acredito que existe algo em nós que é imutável, profundo e eterno. Decidi chamar-lhe o “branco em nós”.
Sei que existe muita coisa que nos impede de sermos verdadeiramente felizes mas sei também que existem mil coisas que nos dão ânimo e ajudam a descobrir quem somos de verdade. O “branco” existe e está disponível nas nossas vidas e ao alcance de todos.”

(sintetizando uma entrevista que dei há uns anos e que está no inicio do blog...)

1 comentário:

Adriana ♣* disse...

Sim, ele existe e está disponível ao alcance de todos...

Mais um grande privilégio para usarmos na nossa caminhada...

Só depende nós...