A raposa e o principezinho

P-...anda brincar comigo, estou triste.
R- nao posso estou presa...
P-o que é que "estar preso" quere dizer?
R-é a unica coisa que toda a gente se esqueceu...quer dizer que se está ligado a alguém, que se criou laços com alguém.
P-laços?
R-sim LAÇOS. ora vê: por enquanto, para mim tu nao és senão um rapazinho perfeitamente igual a outros cem mil rapazinhos. E eu não preciso de ti. E tu também não precisas de mim. Por enquanto, para ti eu não sou senão uma simples raposa igual a outras cem mil raposas. Mas, se tu me prenderes a ti passamos a precisar um do outro. Passas a ser unico no mundo para mim. E, para ti, eu também passo a ser unica no mundo.
P- começo a perceber...
R- tenho uma vida terrivelmente monótona. Por favor... prende-me a ti!!
P-Não posso tenho amigos para descobrir e uma data de coisas para conhecer...
R-Só conhecemos as coisas que prendemos a nós. Os homens, agora, já não tem tempo para conhecer nada. Compram as coisas já feitas nos comerciantes. mas como não há comerciantes de amigos, os homens já não têm amigos (...) adeus, e vou-te contar um segredo. É muito simples: só se vê bem com o coração. O essencial é invisível para os olhos..."

in O Principezinho de Saint-Exupèry

1 comentário:

Adriana ♣* disse...

AMOOOO ESSE LIVRO!

essencial, delicadeza, leveza...

Abs,

Adriana