Há muitos anos escrevi esta história...

"...Um dia houve um estranho acontecimento entre duas pessoas que se cruzaram num jardim. Um tinha um aspecto sério e "arranjado" outro, mais descontraído e menos preocupado. Este último tinha um saco-cama e uma mochila velha que pareciam ser as suas duas únicas posses.
- Pobre miserável... não tens nada. Já olhaste bem para o teu aspecto? - Perguntou ao "mendigo" o indivíduo engravatado que passava na rua.
- Meu amigo, eu podia ter patentes, dinheiro, poder... tudo isso. Mas depois disso podia já não me ter a mim próprio.
O homem sério, incomodado, ripostou:
- Falas, como se isso te desse para comprares um carro para te deslocares, ou um tecto onde dormires.
- Amigo - disse - Não tenho carro, mas tenho dois pés e duas pernas que me ajudam a percorrer o caminho. E quando durmo tenho o mais belo tecto que qualquer homem pode desejar: as estrelas.
- Não és ninguém. Vives na rua, como um animal. - disse arrogante.
- Sim, como um tigre vive na savana e tu como um tigre que vive preso no circo. O tigre da savana tem de correr atrás da presa, enquanto o do circo é alimentado todos os dias pelo tratador. O primeiro é livre, escolhe o seu destino, enquanto que o outro está preso e sujeito às ordens do seu tratador.
O homem sério fazia uma cara muito esquisito, mas o "mendigo continuou":
- Nunca deixes que te tirem a força de seres tu próprio. Nunca desistas dos teus sonhos. Eu posso escolher o que vou fazer amanhã. Mas tu, já estás de tal forma dentro da rotina que não podes escolher.
- Pobre de ti que não sabes o que dizes- disse ofendido e foi-se embora - não tenho tempo a perder, vou-me embora que tenho muito que fazer...
O homem foi para casa, mas não conseguia deixar de pensar naquilo. Alguns dias depois, investigou e observou a sua vida, e viu que realmente era como o mendigo lhe dizia. Então fez silêncio na sua alma e descobriu a verdade por detrás das palavras do homem que tinha encontrado no jardim. Renunciou a tudo e voltou a encontrar o mendigo. Tornaram-se amigos e fizeram juntos um caminho de serviço e entrega aos outros.
Algum tempo depois quando no cimo de uma montanha que ambos escalaram, olharam o Sol no horizonte, ele disse:
-Meu amigo, obrigado por me teres mostrado a Verdade e o Caminho. Se não fosses tu, hoje não estava aqui, nem sabia quem era.
Respondeu-lhe o amigo:
- Não me agradeças. Tu só ouviste a Verdade que estava dentro de ti. Apesar de nos poderem dizer o que quer que seja. Nunca escutamos senão a nossa própria voz. Não foram as minhas palavras que te mudaram, mas a tua disposição à mudança.
E ali ficaram os dois, e sabiam que em muitos outros lados outras pessoas falavam e ouviam-se no alto de uma montanha. "

Ricardo Antunes in "Onde está o branco em ti?"

1 comentário:

Adriana ♣* disse...

Tenho certeza que o seu teto são as estrelas!
Privilégio de poucos...
Mas tenho certeza também que você merece.

Abs,

Adriana